Profilaxia Antibiótica Peri-operatória: O Período Decisivo

O lapso de tempo ao redor da incisão cirúrgica e do período de recuperação pós-operatória precoce, tem sido nomeado como período decisivo, pelo fato de que em teoria nesse momento um processo infeccioso consegue se estabelecer ou ser prevenido. É neste período que as defesas do paciente em combinação com os antibióticos profiláticos têm um papel fundamental na prevenção de Infecções do Sítio Operatório.

 

Coincidentemente o período decisivo é na realidade o “nosso tempo”, ou seja, o tempo do anestesiologista. Faz mais de uma década que a administração de antibióticos profiláticos perioperatórios é responsabilidade do anestesiologista.  Rotineiramente o profissional executa esse passo segundo os protocolos estabelecidos, mas o quão razoável e acurada é essa administração? Estamos avaliando as características farmacocinéticas e farmacodinâmicas dos antibióticos de maneira inteligente?

 

Vejamos um exemplo: As cefalosporinas de primeira e segunda geração, – Cefazolina, Cefuroxima, e Cefoxitin – amplamente utilizadas como drogas de primeira linha em profilaxia cirúrgica, são bactericidas tempo dependentes com meia-vidas curtas, quase sem efeito pós-antibiótico, o que obriga a sua administração frequente em doses baixas para manter concentrações teciduais quatro vezes acima da Concentração Mínima Inibitória (MIC) durante todo o período decisivo. (veja gráfico abaixo)

Na prática isso significa que Cefazolina, por exemplo, com uma meia-vida entre 1,2 a 2,2 horas, estaria abaixo da MIC antes de culminar o período decisivo, mas a recomendação clássica de re-dosificação seria cada 3 a 4 horas. No caso do Cefoxitin a sua meia-vida é ainda mais curta, de apenas 1 hora. O que fazer nesses casos? Uma alternativa simples: a dose a ser administrada em bolus no próximo intervalo poderia ser administrada em infusão contínua imediatamente após a dose inicial, ou seja, 2g de Cefazolina para correr em 4 horas, ou 500 mg por hora. No caso do Cefoxitin ficaria em 2g por hora. Sob o mesmo princípio pode ser usado para Cefuroxima.

 

Essa aproximação baseada na farmacocinética e farmacodinâmica dos antibióticos é a mais racional e efetiva, pois garante concentrações constantes acima da MIC durante a incisão e a sutura da ferida operatória. É importante realçar que o mesmo princípio não é aplicável a antibióticos com efeito pós-antibiótico considerável, como quinolonas, metronidazol, e aminoglicosídeos; o exemplo aplica-se só para betalactâmicos.

Profilaxia

Em sua prática diária, você utilizaria a Profilaxia Antibiótica em infusão contínua?

Que saber mais sobre as doses e repiques dos Antibióticos Profiláticos durante o ato cirúrgico? Faça o download da tabela abaixo 

Saiba mais em:

Craig WA, Ebert SC.Continuous infusion of beta-lactam antibiotics. Antimicrob Agents Chemother. 1992 Dec;36:2577-83.

 

Ferraz ÁA, Siqueira LT, Campos JM, Araújo GC, Martins Filho ED, Ferraz EM. ANTIBIOTIC PROPHYLAXIS IN BARIATRIC SURGERY: a continuous infusion of cefazolin versus ampicillin/sulbactam and ertapenem. Arq Gastroenterol. 2015 Apr-Jun;52:83-7.

 

Kirby A, Asín-Prieto E, Burns FA, Ewin D, Fatania K, Kailavasan M, Nisar S, Pericleous A, Trocóniz IF, Burke D. Colo-Pro: a pilot randomised controlled trial to compare standard bolus-dosed cefuroxime prophylaxis to bolus-continuous infusion-dosed cefuroxime prophylaxis for the prevention of infections after colorectal surgery. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. 2019 Feb;38:357-363.

 

Adembri C, Ristori R, Chelazzi C, Arrigucci S, Cassetta MI, De Gaudio AR, Novelli A. Cefazolin bolus and continuous administration for elective cardiac surgery: improved pharmacokinetic and pharmacodynamic parameters. J Thorac Cardiovasc Surg. 2010 Aug;140:471-5.

 

Roberts JA, Abdul-Aziz MH, Davis J, Dulhunty JM, Cotta MO, Myburgh J, Bellomo R, Lipman J. Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis. A Meta-analysis of Individual Patient Data from Randomized Trials. Am J Respir Crit Care Med. 2016 Sep 15;194:681-91.

 

Skhirtladze-Dworschak K, Hutschala D, Reining G, Dittrich P, Bartunek A, Dworschak M, Tschernko EM. Cefuroxime plasma and tissue concentrations in patients undergoing elective cardiac surgery: Continuous vs bolus application. A pilot study. Br J Clin Pharmacol. 2019 Jan 12.

 

Naik BI, Roger C, Ikeda K, Todorovic MS, Wallis SC, Lipman J, Roberts JA. Comparative total and unbound pharmacokinetics of cefazolin administered by bolus versus continuous infusion in patients undergoing major surgery: a randomized controlled trial. Br J Anaesth. 2017 Jun 1;118:876-882.

 

Veiga RP, Paiva JA. Pharmacokinetics-pharmacodynamics issues relevant for the clinical use of beta-lactam antibiotics in critically ill patients. Crit Care. 2018 Sep 24;22:233.


Dr. Erick Balebona

Autor:

Erick Balebona Recio é médico pesquisador especialista em Microbiología Médica egresado do Instituto de Biomedicina “Dr. Jacinto Convit”, Caracas, Venezuela. Atualmente atua como especialista em conteúdos médicos da Anestech.

Posts relacionados

10/05/2019

Palestra Anestesia e Tecnologia

14/04/2019

Hipertermia Maligna: Um Relato Ilustrado de Um Caso Real

14/03/2019

Fármaco-Genômica e a Anestesia

13/02/2019

Em Tuas Mãos