Entenda o impacto das glosas no centro cirúrgico e saiba como evitá-las



A partir do momento em que uma instituição finaliza o procedimento cirúrgico em um paciente que utiliza plano de saúde, é necessário realizar o faturamento. No entanto, erros no preenchimento de informações durante esse processo podem dar origem às glosas no centro cirúrgico.

Essas glosas prejudicam as instituições de saúde em muitos aspectos, principalmente no setor financeiro, que sofre bastante com este problema.

Quando uma operadora de planos de saúde se recusa a realizar o pagamento de um procedimento cirúrgico, o faturamento do procedimento fica prejudicado. Porque é a instituição de saúde quem tem que arcar com os custos.

Aliás, as glosas hospitalares não geram só o prejuízo financeiro para uma instituição. Os impactos do não recebimento de um procedimento reflete também em outras áreas, como na aquisição de insumos e materiais. Além de gerar indisponibilidade de serviços e, em casos mais graves, diminuição de mão de obra, impactando negativamente a experiência do paciente durante o atendimento.

Se o centro cirúrgico da instituição de saúde onde você atua sofre com o alto número de glosas, confira nossas dicas para solucionar esse problema.

O que são glosas e por que elas acontecem?

Quando uma operadora de planos de saúde recusa ou não efetua o pagamento de um procedimento realizado em hospitais, clínicas e laboratórios, aí acontecem as glosas.

Elas geralmente ocorrem devido a falha na emissão da cobrança do procedimento realizado por parte do prestador de serviço. Que a propósito, pode incluir valores acima ou abaixo do que deveria ser cobrado.

Sendo assim, no momento em que a instituição solicita o pagamento de um procedimento, a operadora do plano de saúde faz uma análise minuciosa da solicitação para conferir se os valores estão corretos.

As operadoras de plano de saúde costumam armazenar informações de valores de procedimentos quando firmam um contrato de parceria com as instituições de saúde.

Se, por exemplo, um prestador de serviço efetuar a solicitação de um pagamento de procedimento cirúrgico e esses valores não baterem com as informações que a operadora do plano detém, então, a mesma só irá repassar a quantia referente aos serviços que o paciente consumiu. Aí acontecem as temíveis glosas no centro cirúrgico.

Os tipos mais comuns de glosas no centro cirúrgico

Em primeiro lugar, é preciso saber que as glosas no centro cirúrgico possuem graus diferentes e podem ser classificadas como temporárias ou definitivas.

Neste primeiro caso, a instituição que solicitou o faturamento de determinado procedimento cirúrgico consegue utilizar de algumas ações que podem reverter a situação e conseguir a revisão de valores.

Já nas glosas definitivas, não há muito o que ser feito. Quando uma operadora de plano de saúde recusa o pagamento de um procedimento cirúrgico em definitivo, uma das poucas opções para reverter a situação é a entrada com um recurso.

São muitas as razões pelas quais as glosas hospitalares acontecem e, abaixo, listamos as mais comuns para te ajudar a identificar melhor o problema.

Glosas administrativas

A glosa administrativa acontece quando há falhas durante as operações no setor. Como no preenchimento incorreto de guias de autorizações solicitadas pela operadora do plano de saúde do paciente.

Este é o tipo mais comum de glosas no centro cirúrgico e tem relação direta com as não-conformidades de dados, em relação ao que consta no contrato entre operadora e prestadora de serviços em saúde.

Além disso, elas também podem ocorrer por falta de informações específicas, como o número da carteirinha do convênio do paciente, quando há erro de digitação e de cálculos, ou quando não consta a assinatura e carimbo do médico.

Glosas lineares

Glosas lineares ocorrem com frequência e tem relação direta com os planos de saúde. Quando as operadoras se recusam a fornecer o pagamento por motivos externos e que, na maioria das vezes, não são informados.

No entanto, a melhor maneira para evitar essas glosas no centro cirúrgico é realizando uma auditoria, que irá analisar as questões que envolvem o trâmite inteiro, desde a solicitação pela instituição de saúde até o faturamento.

Vale ressaltar que em alguns casos de glosas hospitalares, é possível entrar com recurso para que a instituição de saúde garanta o faturamento.

Glosas técnicas

Apesar de pouco comuns, as glosas técnicas acontecem no decorrer de internações hospitalares sendo um dos principais tipos de glosas no centro cirúrgico.

Geralmente, elas são identificadas quando um procedimento médico realizado no paciente gera dúvidas para a operadora do plano. Neste caso, elas passam por análises criteriosas por um enfermeiro especializado, que pode ou não identificar falhas ou inadequações.

Os impactos das glosas no centro cirúrgico

É muito comum que as glosas sejam ocasionadas ainda na fase pré-analítica, ou seja, durante o agendamento de um procedimento e no atendimento ao paciente. Já que a maioria dos hospitais realizam essas tarefas de forma manual, em papel.

Seja pela falta de conhecimento técnico sobre procedimentos, datas de vencimento e questões contratuais, ou até mesmo por causa do preenchimento incorreto de planilhas e formulários, as glosas prejudicam as instituições de saúde em diversos aspectos.

Sempre que acontecem glosas no CC, ou em qualquer outro setor de uma instituição de saúde, o maior impacto é o financeiro.

Quando uma operadora de plano de saúde se recusa a pagar por um procedimento, quem tem que arcar com ele é a própria instituição. E este impacto pode refletir no atendimento e nos serviços prestados.

Por outro lado, as instituições de saúde que investem na digitalização dos processos, principalmente no agendamento e na fase de atendimento preliminar ao paciente, conseguem reduzir o número de glosas no centro cirúrgico.

Como evitar glosas no centro cirúrgico

Como dito anteriormente, um dos principais responsáveis pelas glosas hospitalares é o processo manual de cadastro e preenchimento das guias de autorização que os convênios exigem.

Além da dificuldade de rastrear uma informação para saber o processo mais suscetível às glosas, é bastante possível que uma guia de autorização preenchida manualmente seja rasurada ou extraviada, gerando retrabalho e perda financeira.

Entretanto, não só pela questão financeira, os CCs que desejam diminuir as glosas precisam investir na digitalização dos processos. Até mesmo para acompanhar os avanços tecnológicos do setor e garantir um bom atendimento ao paciente.

Agora que você já sabe quais são os tipos de glosas no centro cirúrgico, descubra o que fazer para evitá-las:

Digitalize os processos

A maioria das glosas hospitalares são oriundas de erros humanos. Por isso, o primeiro passo para evitar glosas no centro cirúrgico é investir na digitalização e automação dos processos.

Definitivamente, esta é quase uma obrigação das instituições de saúde atualmente, porque automatizar os processos dá agilidade no envio das guias para a operadora de saúde, aumentando a chance de elas serem aprovadas.

Utilize fichas anestésicas digitais e prontuários eletrônicos

Desde o atendimento ao paciente na recepção até chegar no procedimento cirúrgico, a maioria dos hospitais ainda utilizam papéis para armazenar as informações do paciente e o risco de falhas é enorme.

A partir do momento em que uma instituição de saúde investe em prontuários eletrônicos e fichas anestésicas digitais, é possível concentrar todos os dados do paciente e dos procedimentos em um só lugar. Além disso, esse é um passo que irá tornar o processo de atendimento muito mais seguro.

Com a centralização dessas informações, o preenchimento da documentação necessária para faturar os serviços prestados é muito mais prático, rápido e eficiente.

Além disso, a gestão hospitalar também pode optar por:

  • Realizar auditorias internas, para atender às exigências das operadoras e identificar as possibilidades de automação para evitar glosas;
  • Capacitar e conscientizar o time de colaboradores, para garantir que os processos automatizados sejam feitos adequadamente e que toda a equipe saiba utilizar os sistemas;
  • Fazer o uso de sistemas de gestão, para conseguir analisar dados e acompanhar a evolução quanto à ocorrência de glosas hospitalares.

Utilize a tecnologia para evitar glosas no centro cirúrgico

Como você pôde perceber, o uso da tecnologia para automatizar os processos responsáveis pelas glosas hospitalares é essencial.

Em relação às cirurgias, quando os procedimentos são cercados de informações muito técnicas e que precisam ser avaliadas pela operadora do plano de saúde com mais cuidado, é fundamental investir na digitalização para evitar glosas no centro cirúrgico.

A utilização de uma ficha anestésica digital, como a ferramenta AxReg, permite centralizar todas as informações do paciente e do procedimento cirúrgico em um só lugar. Fazendo com que a equipe tenha total controle dos processos e acesse informações relevantes para o correto preenchimento das guias de autorizações.

Este é apenas um exemplo das inúmeras possibilidades que a digitalização de processos traz para ajudar a diminuir as glosas hospitalares.

Dessa forma, com o uso da tecnologia e com a reformulação dos processos identificados no passo anterior, é possível reverter a situação e diminuir o número de glosas no centro cirúrgico.

Quer saber outras informações que podem ajudar a alavancar a gestão hospitalar na sua instituição de saúde? Então confira outras publicações da Anestech clicando neste link.


           
Posts relacionados